Lilian Bertin na Isto É Dinheiro

lilian bertin isto é dinheiro

Para a Isto É Dinheiro, Lilian Bertin mosta o que você pode fazer agora mesmo para realizar seus sonhos de forma prática e eficiente através do método IMPAR

Idealize pelo menos uma ideia que você gostaria de por em prática, em seguida Mentalize que essa ideia já está acontecendo, depois Planeje as ações que você pode começar agora, em seguida Aja, tome as ações que planejou. Por fim Reavalie seu planejamento e faça as mudanças necessárias.

 

A Hora Extraordinária: Duas semanas consecutivas na lista dos 10 mais da Veja

livro-hora-extraordinaria

O Livro “A Hora Extraordinária” de Lilian Bertin está entre os 10 mais vendidos da Revista Veja por duas semanas consecutivas.

SOBRE O LIVRO

A empresária, palestrante e escritora Lilian Bertin ensina a realizar sonhos em 30 dias dedicando-se somente uma hora por dia.

 

Ler mais…A Hora Extraordinária: Duas semanas consecutivas na lista dos 10 mais da Veja

Pilares da vida: especialista lista 5 áreas essenciais para você guiar suas decisões!

É muito fácil perder o controle de algumas situações ao longo da vida. Se recuperar as rédeas pode ser difícil, existem certas áreas que podem nos guiar!

Para ter conhecimento de quanto controle sobre a vida você possui, a empresária e palestrante Lilian Bertin elenca cinco pilares que são essenciais na vida da maioria das pessoas e merecem a devida atenção. Saiba quais são eles na galeria a seguir:

10 dicas para alcançar o propósito e a felicidade

Falar sobre felicidade é como tentar oferecer um mapa do tesouro para alguém encontrar um paraíso rico e perfeito.

A felicidade, porém, é algo subjetivo e para cada pessoa ela se manifesta de uma forma, mas seja qual for essa necessidade ao supri-la, haverá aí o que podemos chamar de momentos felizes.

A soma ou a consistência de momentos especiais é o que leva pessoas a serem mais ou menos felizes.

Como vivemos num mundo conturbado, de altos e baixos, onde os acontecimentos externos em grande parte não dependem de nós, as pessoas que conseguem transformar seu “mundo interior” num local agradável de se visitar, conseguem ter mais momentos felizes do que as outras, conseguem mais sabor nos seus dias e mais intensidade nas suas relações, pois, dentro de nós existem as “nossas regras” e o tamanho do valor que damos aos acontecimentos externos.

Há alguns anos venho fazendo esse trabalho comigo mesma, bem como, observando colaboradores, pessoas do meu convívio e no geral também.

Na minha opinião essas são dez características que as pessoas podem implementar para encontrar um propósito e serem mais felizes:

1Para ter um propósito você deve perguntar-se:

Porque eu faço o que faço? Quem são as pessoas que recebem o benefício do meu trabalho? O quanto essa minha atividade diária preenche meu espírito? O que me tira da cama com alegria?

2 Ria mais de si mesmo

Durante muito tempo sofri de rigidez, ou seja, querer controlar as situações. Posso ser sincera? Se a gente controlar a si mesmo, já está de bom tamanho. Aprendi que rir de algumas situações nos aproxima das pessoas. Nos tornamos mais leves e mais felizes.

3 Seja grato

Existem inúmeras pesquisas científicas atualmente falando sobre o poder da gratidão, e tem mais, se você falar em voz alta logo ao despertar e em seguida escrever alguns motivos pelos quais é grato, poderá lhe proporcionar um início de dia sensacional. Experimente!

4 Tenha metas, pequenas ou grandes, não importa

Ninguém entra num jogo sem placar.  A clareza de objetivos vai te dar uma enorme sensação de alegria quando conquistá-los. Lembre-se de comemorar.

5Cuide da sua postura

Sua postura pode dizer muito sobre seu estado de espírito. Pessoas que andam olhando para baixo e de ombros arcados são mais tristes. Tem um artigo sensacional de uma pesquisadora de Harvard Amy Cuddy que fala que sua linguagem corporal molda quem você é.

6 Sorria mais

O sorriso aproxima as pessoas, libera substâncias que ajudam no seu bom humor. Sorrir é diferente de rir. Sorrir de forma discreta e elegante pode ser um grande diferencial inclusive para se criar networking.

7Exercite a sua fé

Não importa sua religião, o que vale é você acreditar em algo sublime, numa energia na qual um simples pensamento ou oração possa te elevar em busca de uma intuição, de uma serenidade para uma situação inesperada ou até mesmo para uma luz, um discernimento para uma ação que deverá ser tomada. A fé é o oxigênio do espírito.

8– Fale palavras positivas

Palavras têm poder. O seu inconsciente registra tudo, inclusive o que você fala, portanto se quiser ser mais feliz, comece mudando o seu discurso. Sempre devemos falar o que queremos que aconteça e jamais o contrário.

9 – Dedique-se ao próximo

Não estou falando de dar esmolas, mas de doar seu tempo, sua energia, seu ombro. As doações materiais são as mais fáceis de se fazer, mas quando nos doamos verdadeiramente no sentido de auxiliar alguém, sentimos uma alegria que invade o nosso ser e transborda. Em alguns casos é importante lembrar, que o “próximo” pode ser seu cônjuge, ou seu filho adolescente. A caridade começa dentro de casa.

10 Se ame!

Para ser feliz é preciso se amar. É importante ter consciência de tudo que precisa ser melhorado, mas amar o que você já conquistou é o que vai te deixar mais forte para assumir novos desafios.

A felicidade é construída de momentos, transforme todos que você puder em motivos de comemorar esse presente chamado VIDA.

Por que o dia 15 de janeiro é considerado o mais triste do ano

Acabou o Natal, o Ano Novo passou e as contas chegaram. Tem IPVA, IPTU, matrícula escolar e todas as outras contas acumulando em janeiro. Além disso, você já percebeu que aquelas resoluções para 2018 estão difíceis de sair do papel. Dá uma tristeza nessa época, né? Saiba que você não está sozinho.

Segundo um psicólogo galês, esta segunda-feira (15) é o “Blue Monday”, também conhecido como dia mais triste do ano. De acordo um estudo questionável feito por Cliff Arnall, então da Universidade de Cardiff, no País de Gales, a terceira segunda-feira de janeiro é o dia em que as pessoas se sentem mais para baixo.

Ele criou, em 2005, uma fórmula matemática para provar sua teoria: [W+(D-d)]xTQ/MxNA. Difícil de entender? “D” são as dívidas que você fez no fim de ano, “d” seu salário mensal, “T” é o tempo que se passou desde o Natal, “M” o nível de motivação, “W” é o clima e “NA” a necessidade de tomar medidas. Bem, no Reino Unido faz muito frio nesta época, por isso, “W” tem um peso maior para eles.

Arnall não teve a menor preocupação com embasamento teórico para chegar à equação. Tanto é que seu “estudo” não foi publicado em nenhuma revista científica. A história toda foi criada pelo psicólogo a pedido de uma agência de viagens, ou seja, marketing puro para vender pacotes turísticos na tentativa de combater essa “melancolia”.

No entanto, Arnall  continua acreditando em sua criação. O psicólogo diz que teve a melhor das intenções e que a ideia do dia é encorajar as pessoas a terem um olhar positivo para o restante do ano, encarando as oportunidades de novos começos e de mudanças.

“Seja para embarcar em uma nova carreira, conhecer novos amigos, assumir um novo hobby ou reservar uma nova aventura, janeiro é realmente um ótimo momento para tomar as grandes decisões do restante do ano”, afirmou, recentemente, em entrevista ao jornal inglês “The Independent”.

Como evitar a tristeza?

Para a coach e palestrante Lilian Bertin não que é que exista um dia mais triste do que os outros, mas esse período de janeiro pode ser melancólico para pessoas que tenham passado o fim de ano apenas procurando prazer, sem equilíbrio algum. “Daí, quando se deparam com a realidade, ela pode parecer mais difícil do que realmente é”, afirma.

Por isso, segundo a especialista, é necessário um planejamento em cinco pilares fundamentais para passar um começo de ano feliz: família, saúde, finanças, além de propósitos para o ano pessoal e no trabalho.

“Primeiro eu faço um mapeamento do que preciso. Essa fase é a da idealização. Coloco no papel, sem racionalizar, aquilo que eu quero. Com as ideias postas, analiso o que pode ser implementado rapidamente. Geralmente, são três ou quatro coisas”, explica. “Depois disso, parto para a ação. Parece simples, mas não se costuma parar colocar isso tudo no papel.”

Geralmente, Lilian aponta se há algum problema em um desses pilares dos clientes, como, por exemplo, a falta de dinheiro para pagar as contas de começo de ano, quando a sensação de melancolia aparece. Por conta disso, a pessoa pode acabar presa no problema, sem ação, além da volta à rotina ter chance de agravar a tristeza. “É como uma máquina parada que precisa retomar o funcionamento e está tentando voltar a produzir”, afirma.

Melancolia não tem data

A psicóloga e consultora de desenvolvimento humano Mônica Salomão não encara janeiro como um mês particularmente mais triste do que os outros. Para ela, a “Blue Monday”, além de falsa, cumpre um papel de dar um motivo externo para um sentimento que o indivíduo não sabe lidar e é interno. “Instituímos certas leis em nossa sociedade, como estar feliz o tempo todo. Parece que não podemos sofrer oscilações que são humanas”, explica.

Segundo Mônica, atualmente não existe apenas um momento triste, mas sim pessoas que estão mais sensibilidades e frustradas em tempo integral. “Por isso, existe essa avalanche toda de cirurgia plástica, troca de casa, de carro, de relacionamento”, avalia. “As redes sociais trazem uma ideia ilusória o ano inteiro. Durante 24 horas por dia, comparamos nossas vidas com a do outro, e nos vemos como falidos. Por isso, o colapso emocional pode ocorrer o tempo todo”.

Aprenda a combater a sindrome do impostor

Se frequentemente você tem pensamentos de que não é bom o suficiente no seu trabalho – apesar de todas as conquistas – pode estar sofrendo com a chamada síndrome do impostor. Mesmo com a formação, vem a sensação de que falta experiência. Mesmo com a experiência, você acha que sua especialização já está ultrapassada. Mesmo com novos cursos, fica o sentimento de que falta algo.

Também conhecida como “fenômeno do impostor” ou “síndrome da fraude”, essa síndrome se caracteriza pela dificuldade de profissionais bem-sucedidos enxergarem o valor de suas realizações. “Há pessoas que, por mais que estudem e se preparem para a vida profissional, não se sentem empoderadas de seus conteúdos e daí surge ‘aquela voz’ gritando: ‘você não merece, você não é capaz’”, explica a coach e empresária, Lilian Bertin.

Esse “sentimento” não é, nem de longe, incomum. Embora as pessoas falem pouco sobre isso, um estudo realizado pela psicóloga Gail Matthews, da Universidade Dominicana da Califórnia, mostrou que cerca de 70% dos profissionais bem-sucedidos são atingidos pela síndrome, principalmente as mulheres.

Esse fenômeno costuma aparecer em momentos de transição, dificuldade ou quando se é confrontado com novos desafios”, explica Sharon Feder, psicóloga e coach de saúde e bem-estar da Carevolution.

Como isso pode afetar a carreira?

Cobrança constante, dedicação excessiva ao trabalho, comparação frequente com colegas, atribuição do sucesso a fatores externos (como sorte), receio de que descubram que você não é “tão bom quanto parece”, falta de confiança, sentimentos como ansiedade, estresse e angústia. Todas essas são manifestações comuns da síndrome do impostor. “Algumas pessoas levam isso tão à sério que começam a refazer suas tarefas constantemente”, conta Lilian.

Não é difícil imaginar, então, que esse fenômeno tenha uma influência direta sobre o crescimento profissional de um indivíduo: por não acreditar plenamente em seu potencial, a pessoa tem mais dificuldade para aceitar propostas que a levem adiante e acaba apresentando comportamentos de autossabotagem. “Todos esses sentimentos podem estagnar a carreira de alguém, pois o medo do fracasso acaba superando o desejo de se desenvolver”, explica Sharon.

O que fazer para se ver livre da síndrome do impostor?

Para trabalhar ao máximo os seus potenciais e permitir o crescimento na carreira é fundamental, então, reconhecer a existência da síndrome e trabalhar a autoconfiança. “Cada vez que questionar a sua capacidade, lembre-se do que o trouxe até ali, pense no profissional que pretende se tornar e tenha certeza de que está trilhando esse caminho”, orienta Lilian.

As profissionais explicam que é preciso aceitar que a perfeição não existe e focar naquilo que é positivo: aceitar elogios, reconhecer as habilidades que tem e estabelecer passos para se sentir mais seguro e chegar onde deseja. “Essa pode ser uma boa oportunidade para a pessoa cuidar de si: trabalhar suas forças, qualidades, valores e capacidades. Muitas vezes pode ser uma motivação para o seu crescimento”, finaliza Sharon.